• Aline Guimarães

Suicídio e a Ideação Suicida


O suicídio é um ato que pode acometer todas as classes e gêneros, além de idade. Sendo predominante entre os idosos acima de 70 anos, homens e jovens - entre 15-29 anos - e é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como uma questão de saúde pública.

Dessa forma o suicídio é definido pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), como uma ação executada por uma pessoa com intenção de colocar fim a sua própria vida. Essa ação é realizada de forma intencional e consciente, mesmo que ambivalente, usando métodos que julga ser fatal. Já a tentativa ou ideação suicida é um comportamento autolesivo que pode vir acompanhado de consequências fatais ou não e com evidências de que a pessoa tem a intenção de morrer.

Os fatores de risco observados pela OMS são: transtornos mentais, tentativas anteriores de suicídio, problemas financeiros ou perda de emprego, uso problemático de álcool, traumas ou abusos, discriminação, dificuldade no acesso ao sistema de saúde, doenças crônicas ou dolorosas, incapacitantes.

Portanto, o suicídio e sua tentativa podem vir recheadas de inseguranças, medos, perdas mal resolvidas, tristeza e falta de sentido de vida, que se transformam em uma grande dor psíquica em que a pessoa não vê saída, ou seja, não vislumbra outras possibilidades de cessar a dor a não ser tirando a própria vida.

Porém, se observado que esta pessoa possui comportamento ambivalente frente a este desejo, ou seja, se ela apresenta dúvidas entre tirar ou não a vida, se ainda é capaz de pesar os motivos para viver, o psicólogo juntamente com o auxílio do psiquiatra é capaz de, com a pessoa, encontrar o real motivo dessa dor, dessa escolha, além de tratar um possível transtorno que possa estar associado; dentre o que está mais atrelado aos desejos suicidas é a depressão, uma vez que causa sensações de vazio existencial e perda da vontade de viver, entre outros sintomas.

Os principais sinais que podem ajudar no diagnóstico do suicídio ou ideação suicida são a ambivalência, como já citada, a impulsividade, que pode ser desencadeada devido momentos negativos durante o dia e que tem curta duração, e a rigidez de pensamento, ou seja, esta pessoa se torna incapaz de visualizar outras possibilidades de solução para seu problema ou que não enxerga nada de positivo em sua história de vida e está sempre focando no negativo e no fim da vida. Essa condição de rigidez é também chamada de "visão em túnel".

Em suma, é de extrema importância que se observem os sinais, que aparecem em frases, ações e escolhas no dia-a-dia da pessoa, além dos fatores de risco para que se possa dar o suporte necessário em um momento tão vulnerável em que a pessoa se encontra. E em caso de confirmação ou suspeita procure um psiquiatra ou psicólogo mais próximo.

———

Aline Pinheiro Macedo Guimarães

Psicóloga

CRP-10/05285

#PsicologiacomAmor #SaúdePública #Psicoterapia #depressão #SetembroAmarelo

12 visualizações

Nosso espaço

© Clínica Angiológica do Amapá 2016. Todos os direitos reservados.

Localização

AV. Padre Júlio Maria Lombaerd, nº 1325A - Centro - Macapá-AP.

CEP: 68900-030.

Telefones

(096) 3223 7600 | (096) 98102 8501 (Whatsapp)

Email